Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Pedro Nogueira Photography

Um blog para mostrar as minhas fotos e para escrever sobre tudo o que me vier à cabeça …assim haja tempo.

Ainda o "naming right" do Estádio José de Alvalade

26
Jul11

Se há um ponto em relação ao qual discordo de Bruno de Carvalho é precisamente o da venda do “Naming Right” do “Estádio José de Alvalade”.

Aqui fica a minha opinião. O Sporting já foi detentor de um enorme património que ao longo dos tempos foi alienando sem nunca daí ter tirado grandes proveitos. Apenas resolveu problemas no imediato, ficou sem o património e o dinheiro rapidamente desapareceu. A prova cabal disso é que o Clube já pouco ou nada tem para vender e cada vez deve mais dinheiro. O Sporting neste momento já não está a vender os anéis, já está a vender os dedos. O Sporting negociou (mal) direitos de transmissões televisivas até 2018, o dinheiro já veio e já desapareceu. Ao retirar o nome do seu fundador do seu principal recinto desportivo o mesmo iria acontecer. Iríamos mais uma vez perder o pouco que resta da nossa identidade por um prazo mínimo de 10 anos, mas sempre renovável ou vendido de novo a outros (o termo “transitório” referido por alguns é uma mera falácia) para, tão certo como eu estar a escrever isto, o dinheiro desaparecer num par de meses ou se recebido por tranches, ser por certo mal aplicado ou não estivessem lá os mesmos que ajudaram a conduzir o Clube ao seu estado actual.

Até podiam ser 50 milhões/ano mas são "apenas" 3 a 5 milhões/ano. Para a próxima época já não dará nem para comprar um jogador de jeito a um clube de meio da tabela.

Valeria a pena?

Com ou sem “José de Alvalade” atrás e independentemente da quantia em jogo votarei sempre contra e ficarei muito triste se algum dia o nosso Estádio perder o nome do Fundador do Clube.

Deixo aqui uma pergunta que gostaria de ter feito na AG mas devido a algum nervosismo ficou por fazer.

Tinha intenção de pedir directamente ao Presidente Godinho Lopes que viesse ao palco para responder.

Responda-me quem souber.

A seguir à venda do “naming right” do estádio vendemos o quê?

 

Deixo aqui uma sugestão/provocação.

Que tal esquecermos a memória de Francisco Stromp?
Afinal de contas foi “só” o nosso primeiro capitão.
Podem alegar que era sifilítico e que se suicidou e depois vender o nº 3 que lhe pertence perpetuamente a uma qualquer empresa de electrodomésticos que o queira adquirir.

Informação adicional sobre Francisco Stromp:

“A 1 Julho 1930, com trinta e oito anos, faleceu por vontade própria, na agonia da sua doença, escolhendo o dia em que o Sporting festejava o seu 24º aniversário. Levantou-se cedo, mas em vez de ir para o Banco Ultramarino, como sempre ia, tomou o caminho da Estação de Comboios de Sete-Rios, quando se apercebeu do comboio, despiu o casaco e correu para ele de braços abertos, assim se suicidou o primeiro grande capitão e treinador do Sporting.”

“Ficaram famosas as suas alocuções no balneário, antes do início dos jogos, quando, muitas vezes com os olhos marejados de lágrimas, incitava os colegas a dignificarem o clube”

Não brinquem com Sporting Clube de Portugal.

 

Saudações Leoninas!

2 comentários

Comentar post