Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Pedro Nogueira Photography

Um blog para mostrar as minhas fotos e para escrever sobre tudo o que me vier à cabeça …assim haja tempo.

Quem tem tacho, taxa

28
Abr12

O governo português descobriu maneira de, indirecta e cobardemente, voltar a meter a mão nos bolsos dos portugueses, podendo vir a arrecadar com isso qualquer coisa como 12 a 13 milhões de euros.
Com uma taxa de desemprego na casa dos 15%, - a segunda maior em países da OCDE - de que se lembraram agora o ex-colador de cartazes da JSD e a mandatária para assuntos da EDP no governo?
Simples. De uma Taxa de Segurança Alimentar.
Embora a taxa seja aplicada a estabelecimentos de comércio alimentar – irá afectar cerca de 1.800 – quem irá no final pagar a factura?
Inevitavelmente o mesmo de sempre. O consumidor.
Como já se sabe, os comerciantes irão alegar a impossibilidade de, em termos comerciais, conseguirem absorver essa taxa. Coitados, têm toda a razão. Com margens de lucro tão baixas, isso só estará ao alcance daqueles "magnatas" do ordenado mínimo.
Mais do que inoportuna e socialmente injusta, esta taxa é mais uma prova da insensibilidade de quem nos (des)governa.
Não tendo de me justificar perante ninguém, devo referir que não sou, nem de perto nem de longe, de esquerda, mas esta escumalha emergente de novos-ricos que cada vez mais prolifera em lugares com poder de decisão, sejam eles de teor político, desportivo ou outro, cada vez me mete mais nojo. Tenham eles obtido uma licenciatura ao Domingo ou não.
Esta escumalha que veio de baixo vinga-se no povo, como o polícia bêbado que até apanha da mulher e que depois se vinga no preto que à noite apanha ao virar da esquina.
Olha-se para os governos e, maioritariamente, o que se vê é malta que à custa do cartão do partido, lá vai subindo na vida sem nunca ter trabalhado. Olha-se para o futebol, e lá estão nas direcções os corruptos e corruptores do costume, olha-se para as claques e lá estão os traficantes de droga e cadastrados a chefiar. Todos eles com algo em comum, a confiança em alguma inoperância e falta de celeridade na justiça.

Enquanto assim for, esta gente, tudo faz, tudo pode.