Pedro Nogueira Photography

Setembro 25 2017

Dei de caras com isto na web.

 

Sandor.jpg

 

Informação quase importante:

 

Tive resmas de livros da colecção "O Falcão".

Assim de repente, lembro-me do Kalar e do Sandor (dois dos meus favoritos), do Major Alveja, Ogan, Oliver, Texas Kid…

A juntar a estes, eram outras tantas resmas da colecção "As Aventuras do FBI" e o "Mundo de Aventuras".

Juntamente com os Patinhas, eram mais fáceis de levar para o WC do que o Tintin, Asterix, Michel Vailant, Comanche, Tenente Blueberry, Ric Hochet, Gaston Lagaffe, Luc Orient, Corto Maltese, Spirou et Fantasio, Black e Mortimer…

Esses, ficavam para ler na caminha.

E estou certamente a esquecer-me de muitos outros,

Bolas, muita BD tive e li.

publicado por / published by Pedro Nogueira às 13:47

Março 17 2017

…se visto pela sacrossanta estupidez da maioria dos adultos.

 

Calvin.jpg

Bom fim-de-semana e brinquem muito porque a vida são dois dias...

publicado por / published by Pedro Nogueira às 13:02

Fevereiro 12 2017

Spanking in vintage Batman comic book.jpg

publicado por / published by Pedro Nogueira às 13:15

Outubro 02 2014

"Comic Book Heaven" é um pequeno documentário realizado por E.J. McLeavey-Fisher, que conta a história de Joe Leisner, dono de uma livraria de banda desenhada situada em Sunnyside, Queens NY.

Assista a Comic Book Heaven.

 

Still frame do documentário "Comic Book Heaven"

publicado por / published by Pedro Nogueira às 15:00

Janeiro 10 2012
Visite Tintin.com.

publicado por / published by Pedro Nogueira às 00:08

Outubro 28 2011

Ontem, não resisti e lá fui à sessão da meia-noite ver o filme do Tintin, apesar de a minha intenção inicial ser a de esperar pelo Blu-Ray para ver o filme com o áudio em francês. Pensei que fosse pior, mas continua a não me agradar, ouvir o Tintin a falar inglês.

Vou ter a presunção de dividir os hipotéticos espectadores em três grupos distintos e ser mais presunçoso ainda e tentar adivinhar o que cada um pensará do filme.

Em primeiro lugar, o grupo dos fãs incondicionais, que conhecem, desde sempre, Tintin e todas as suas aventuras, já decoradas de trás para a frente e de frente para trás, não deixando escapar nenhum detalhe. O mesmo se passando com todos os personagens, do herói ao pior vilão. Aqueles a quem basta ver um quadradinho de uma prancha para imediatamente identificar a aventura onde ele se encontra. Enfim, toda uma infindável panóplia de informação a que só um fã dá atenção e valor.

Em segundo lugar, o grupo daqueles que até já ouviram falar do Tintin, ainda se lembram de ter lido alguma coisa quando eram mais novos mas para quem o herói mais não é do que uma vaga memória de um personagem de BD ao qual nunca deram especial atenção.

Por último, aqueles que pensam que “O Caso Girassol” é algum problema de última hora com algum óleo alimentar ou que “O Voo 714 para Sidney” tem a ver com a queda do tecto no aeroporto de Faro.

Começando por este último grupo, acredito que venham a gostar do filme, sem reservas. Vão conhecer um “novo” herói, simpático e destemido, numa empolgante aventura ao estilo Indiana Jones, com acção do princípio ao fim, deixando já a porta aberta para a sequela, ou não se chamasse o realizador, Steven Spielberg. Um filme tecnicamente bem feito, recorrendo à mesma técnica utilizada em “Avatar” de James Cameron. Vão ainda, muito possivelmente, adquirir algum merchandise, julgando ser os primeiros a ter algo a respeito desta “novidade” mas que rapidamente cairá no esquecimento assim que aparecer a moda do mês seguinte que tanto poderá ser um novo Homem-Aranha como um Tarzan em cuecas.

Em relação ao segundo grupo, sinceramente, considero que seja onde surgirão as opiniões mais diversas. Uns, mais velhos, irão para tentar relembrar uma coisa que na realidade nunca conheceram muito bem mas também não é com este filme que ficarão esclarecidos. Outros, que até nem faziam intenções de ir mas como há sempre este ou aquele miúdo que, mesmo não conhecendo o herói, tem curiosidade e quer ver, os pais lá farão a vontade e acabarão, também eles, por revisitar o personagem. De qualquer das formas, duvido que seja um filme que traga os mais graúdos, deste grupo, de volta a Tintin, no que à BD diz respeito e também não acredito que desperte nos mais miúdos a vontade de conhecer as suas aventuras em papel. Será apenas mais um filme para a “colecção”.

Por fim, o primeiro grupo, onde eu me incluo. Gostei do pormenor adicionado, no início do filme, semelhante ao início d’ “O Segredo do Licorne” -mais para a frente, no filme, como explicarei, há demasiada mistura- de alguém que desenhava um retrato de Tintin, numa feira de velharias, afirmando que a sua cara não lhe era estranha. Depois de concluído o desenho, verifica-se que o desenhador, mais não é do que Hergé. Uma bonita e justa homenagem ao criador de Tintin. Era o mínimo que Spielberg poderia ter feito. Penso que quem conhece a fundo as Aventuras de Tintin, terá de reconhecer que foi feito um excelente trabalho em torno dos personagens e cenários onde se desenrola o filme. Tudo recriado com um detalhe excelente e até com algum valor acrescentado, começando isso, logo a notar-se desde o primeiro segundo do filme. O apartamento do nosso herói é um desses exemplos, mas nada foi deixado ao acaso. Adorei a recriação da narração do Capitão Haddock, a respeito do seu antepassado, o Cavaleiro de Hadoque, quando enfrenta Rackham o Terrível, a bordo do Licorne, numa brutal batalha naval. Bastante fiel ao livro mas mais uma vez contada em locais e alturas diferentes. O posto de Afghar, comandado pelo Tenente Delcourt e o navio Karaboudjan estão irrepreensíveis.

Como ponto mais negativo, quanto a mim, é o facto de Spielberg não se ter mantido mais fiel como deveria, inevitavelmente com a devida autorização da Moulinsart, que aqui crítico, às histórias originais. Há a tentativa de meter muita “bola” logo no primeiro “saco”. A aventura é uma mistura, entre outras coisas, d’ “O Segredo do Licorne” com “O Caranguejo das Tenazes de Ouro” onde aparece também Bianca Castafiore, também ela excelentemente recriada, mas que na BD não aparece em nenhuma destas duas aventuras. Podemos ver também um Jeep Willys vermelho que automaticamente nos remete para a aventura “No País do Ouro Negro”. Isto apenas para citar alguns exemplos. A sensação que fica, é que Spielberg, não sendo um verdadeiro fã de Tintin, passou os olhos por cima de meia dúzia de livros, pegou no que mais lhe agradou, juntou outros tantos detalhes que nunca existiram, atou e pôs ao fumeiro. No cômputo geral, o resultado não é mau mais decerto não agradará aos mais puristas. Quanto a mim, borrou a pintura no mais fácil. Confesso que não me importava nada de ver todas as Aventuras do Tintin, no cinema, feitas desta forma, mas sem deturpar as histórias originais, saídas da “pena” de Hergé. A heresia do costume a que os americanos já nos habituaram quando mexem no que não deveriam mexer. Americanos esses, que vão finalmente ficar a “conhecer” Tintin, tenho é algumas dúvidas que este consiga lutar, sozinho ou com a ajuda do Capitão Haddock, contra os heróis da Marvel, mais ao gosto dos habitantes da terra do Uncle Sam.

publicado por / published by Pedro Nogueira às 16:58

Outubro 09 2011

Assim já soa a Tintin. Até parece outro filme.

Definitivamente, vou esperar pelo Blue-Ray com a opção "Français" no áudio.

Assim como assim, a única coisa que o 3D faz é aproximar-nos as legendas, irritantemente, para perto do nariz.

Cada trailer tem apenas vinte segundos.

Les Aventures de Tintin-Le secret de la Licorne-Spot 1

Les Aventures de Tintin-Le secret de la Licorne-Spot 2

publicado por / published by Pedro Nogueira às 16:36

Outubro 07 2011

The Adventures of Tintin-The Movie.

Como verdadeiro fã de Tintin, quanto a mim, tudo isto continua a ser uma heresia.

A Moulinsart rendeu-se e vendeu-se aos milhões de Hollywood.

Não consigo habituar-me a ouvir os personagens falar inglês.

Para mim, serão sempre “Les Aventures de Tintin”.

Tintin, apesar de mundialmente famoso, continua a pertencer a um nicho de fãs que não embarca em modas. Gostam, apenas porque sim. De agora em diante temo que iremos começar a ver o Tintin em mochilas ordinárias do Continente, em pacotes de Bollycao, t-shirts dos ciganos e outras porcarias que não quero nem imaginar.

Todos vão “usar” e “conhecer” Tintin sem de facto saber quem ele é.

Hergé aprovaria?
Claro que sim, dirão os responsáveis por tudo isto.

Mesmo fundindo (aqui apetecia-me escrever outra coisa) e deturpando as histórias originais?

Tenho algumas dúvidas.

Atrair mais fãs?

Numa fase inicial, é possível, mas estamos a falar da geração Facebook. Serão fãs apenas até à próxima moda. Esquecerão Tintin ao virar da esquina mas o estrago será irreparável.

Ficarão os mais antigos para apanhar os cacos e varrer e loja.

The Adventures of Tintin International-MovieTrailer

 

publicado por / published by Pedro Nogueira às 14:56

Outubro 02 2011

Faz hoje 61 anos que se estrearam os Peanuts.

Foram publicados de forma ininterrupta desde 2 de Outubro de 1950 até 13 de Fevereiro de 2000.

Saídos da pena de Charles M. Schulz (26 Novembro 1922 - 12 Fevereiro 2000), este “gang” composto por Charlie Brown, Snoopy, Woodstock, Franklin, Lucy Van Pett, Linus Van Pett, Peppermint Patty e Sally Brown, conseguiu no seu pico de fama, atingir 355 milhões de leitores em 75 países. Foram traduzidos para cerca de 21 línguas e publicados em 2600 jornais.

Divertidos mas sempre atentos aos comportamentos da sociedade, são ainda hoje um caso sério de sucesso.

“You're a good man, Charlie Brown.”, Charles M. Schulz

Peanuts

publicado por / published by Pedro Nogueira às 16:19

Agosto 15 2011

Segundo esta notícia, com a morte de Peter Parker, o novo Homem-Aranha é um negro latino. Um tal de Miles Morales, africano por parte da mãe e latino por parte do pai.

Pelos vistos não é suficiente respeitar as minorias, tratando-as como iguais. Temos mesmo que levar com elas em todo o lado.

Prevejo que Clark Kent a breve prazo venha a ser Alexandro Romero, um pobre mariachi que passe as noites a voar com uma capa tricolor sobre os prédios de Metropolis à procura de cordas para a sua viola.

Não duvido que Bruce Banner venha a ser gay e cada vez que se enerve se transforme num gigante cor-de-rosa e que viva apavorado pela quantidade de pulseiras Pandora destruídas por cada vez que tem um ataque de fúria.

A Catwoman terá um caso com a Wonder Woman e até mesmo o Batman poderá vir a coleccionar bonecos Ken.

A farsa do “politicamente correcto” levada ao extremo depressa cairá no ridículo e a Marvel terá por certo de ressuscitar Peter Parker.

Sendo branco e heterossexual, por mim os lobbies GLS até podem transformar o Capitão America num Mandingo de lantejoulas que não me conseguem evangelizar.

Ia terminar com um “Hi-yo, Silver! Away” mas é melhor não, não vá o Lone Ranger e o Tonto serem dois dissidentes dos Village People.

publicado por / published by Pedro Nogueira às 14:37

Seja bem-vindo ao meu blog.

O meu nome é Pedro Nogueira.

Caso assim o pretenda, poderá contactar-me para:

pedro.photomaniac@gmail.com


Obrigado pela visita e volte sempre.


Welcome to my blog!

My name is Pedro Nogueira

Feel free to contact me to:

pedro.photomaniac@gmail.com


Thank you and come back soon.

Novembro 2017
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


Pesquisar neste blog / Search